“Não existe isso de carreira para homem ou mulher, o que existe é garra, determinação e paixão pelo que faz”, declara Milena Japyassú, Diretora de TI América Latina na Otis Elevadores.

Tenho 46 anos, mas iniciei na Tecnologia muito cedo, com 17 anos. Na época, tive influência de colegas e familiares, indicando que seria uma profissão com alta demanda no futuro. Quando comecei minha carreira em TI não vislumbrava toda a importância e impacto da profissão, mas com o tempo, percebi que foi uma excelente escolha, por ser uma área que está sempre à frente de mudanças, inovações e com muito dinamismo.

Desde que comecei a estudar Processamento de Dados, ainda no Ensino Médio, eu não parei mais. Fiz cursos de Sistemas, Infraestrutura e Arquitetura Tecnológica, Design Thinking, Digital Marketing, entre outros. Sou Bacharel em Administração de Empresas, e fiz especialização em Gestão de Projetos, e também estudei programas de Liderança de Harvard, Executive LeaderShip Program de Pittsburgh University. Nesta área, é necessário manter-se atualizado com cursos em novas tecnologias, ferramentas e sistemas, além de metodologias.

Quando conclui o Ensino Médio Técnico, iniciei a busca por estágio. A própria escola indicou empresas e acabei entrando como estagiária na Brastemp (hoje Whirlpool). Comecei como Suporte a Usuários e Rede de Computadores, que na época era a menor área em TI. Foi a melhor coisa que me aconteceu, porque comecei a trabalhar em um setor que não parou de mudar, crescer e adicionar novas tecnologias. Daí em diante, minha carreira foi se desenvolvendo em diversos aspectos, que enriqueceram meu background e visão de toda atuação tecnológica em empresas globais e diferentes segmentos.

Mas no início da carreira, tive de conciliar a falta de experiência não só na TI, mas também a questão de trabalhar em uma empresa global grande e complexa e cursar faculdade ao mesmo tempo. Nesta época, estagiário executava a função de analista durante mais de 8 horas por dia. O trabalho não era aprender, era executar.

Com o passar do tempo, fui vendo a dificuldade de ter sempre uma alta demanda e a sensação de estar devendo. Por mais que se implemente muitos projetos e inovações, sempre tem muito mais para fazer. Não que isso seja algo ruim, mas é um desafio priorizar as demandas certas, pois sempre haverá alguém insatisfeito. Na posição de liderança, é difícil encontrar profissionais qualificados para os projetos, estamos em constante turnover e aprendizado; skills de um ano ficam ultrapassados nos próximos.

Mas vale ressaltar o lado positivo da carreira em TI. Poucos profissionais têm oportunidade de conhecer toda a operação de uma empresa. Cada projeto é diferente do outro, ao atender alguma demanda específica de uma área de negócio, é necessário aprender sobre o fluxo do processo para buscar melhor solução; garantindo experiências e enriquecendo o conhecimento.

Outra possibilidade é a conexão multicultural com diversos países, uma vez que é comum a área de TI utilizar muitas soluções regionais e globais. Tem-se também dinamismo, por conta da maioria das atividades não rotineiras em constante mudança, adaptação e avanços. Com toda transformação digital e automações, a TI passou a ser parte integrante de decisões e soluções para alavancar os negócios, ajudando as empresas a atingirem e excederem seus resultados com soluções tecnológicas.

Embora saibamos que nas estatísticas gerais existem mais profissionais homens do que mulheres em TI, acredito que em outras áreas profissionais também haja predominância masculina. Se pudesse dar um conselho para as meninas que querem seguir carreira em Tecnologia, diria que é preciso ter sede de aprender e ajudar a transformar o mundo.

Saiba que dificuldades sempre vão existir. Eu por exemplo, quando tive meu filho, surgiram muitas dúvidas se deveria continuar com a carreira pela alta carga horária. No entanto, após um tempo, percebi que aquela adrenalina já fazia parte de mim e que a workaholic sou eu e não a profissão. Então voltei logo, e estou bem feliz. Ninguém é responsável por seus passos e suas escolhas em sua carreira, tudo é consequência dos seus esforços.

Para saber mais sobre a Milena Japyassú, veja seu LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/milenajapyassu/