“Eficiência é a palavra-chave da nossa profissão”, afirma Camila Teixeira, Analista Segurança da Informação Sênior no Banco BS2

Eu sou Camila Teixeira, tenho 32 anos, e trabalho na área de Segurança da Informação no Banco BS2. Eu sempre gostei muito de tecnologia e de ciências exatas. Desde pequena, buscava solucionar problemas com criatividade. Quando estava na época de escolher a faculdade, fiz testes e orientação vocacional, o que foi muito útil para minha tomada de decisão.

Acabei optando por engenheira da computação. Eu sempre gostei muito de estudar, então a faculdade foi uma delícia, apesar do esforço. Lembro que ficava muitas vezes estudando aos fins de semana e de madrugada, mas hoje vejo que cada minuto em cima dos livros valeu à pena. Eu aprendi que quanto mais você estuda, mais você vê que tem a aprender.

No início da minha carreira a maior dificuldade foi conhecer o mundo dos negócios, aprender a se portar, se posicionar e desenvolver as habilidades necessárias para prosperar na empresa. Depois, o desafio é manter-se atualizado, alinhado com as boas práticas de negócio e agregar para o desenvolvimento das pessoas que trabalham com você.

Na carreira de tecnologia você é constantemente impulsionado a aprender mais e tem diversas oportunidades de crescimento. É muito gratificante participar diretamente em melhorias relevantes para a empresa, auxiliando no desenvolvimento de soluções eficazes, que utilizam o mínimo de recurso possível, seja tempo, seja dinheiro, sejam pessoas, ou seja, entregando um produto com maior valor agregado, gastando o mínimo de recursos possível. Eficiência é a palavra-chave da nossa profissão.

Por outro lado, é uma carreira que exige dedicação constante. A gente fica muito tempo em frente ao computador. Eu procuro me cuidar, fazer exercícios faciais para descansar as vistas e minimizar este impacto negativo. Aliás, as mulheres estão sempre procurando trazer mais leveza para o ambiente.

Apesar de ser uma área muito masculina, a TI recebe bem as profissionais do sexo feminino. As mulheres têm muito a agregar, trazendo mais humanidade, cuidado com o próximo, atenciosidade. Estas características têm muito valor agregado para melhoria contínua dos processos, aculturação dos colaboradores e sentimento de pertencimento. As mulheres costumam aproximar os membros da equipe, se preocupando com pequenos detalhes, avaliando os processos com um nível de detalhamento que muitas vezes os homens não estavam acostumados a avaliar, acolhendo os colegas de trabalho nas situações difíceis e nas alegrias. Enfim, as mulheres têm um potencial enorme para somar valor e resultados na área de TI de uma instituição.

Para quem quiser seguir carreira nessa área, eu sugiro que pesquise sobre os cursos de tecnologia e, caso identifique-se, vai atrás com foco e determinação que terão um futuro brilhante pela frente.

A TI vai muito além de componentes tecnológicos. Por trás deles, existem processos estruturados, pessoas capacitadas para operar as tecnologias e executar. O elemento humano precisa ser treinado, protegido, aculturado para garantir a entrega dos produtos e serviços com qualidade e conforme os requisitos do negócio. E as empresas valorizam profissionais que vestem a camisa do negócio, têm compaixão, influenciam positivamente o semelhante e sentem prazer em fazer o bem para a humanidade.

 

Para saber mais sobre Camila Teixeira, veja seu LinkedIn:

https://www.linkedin.com/in/camila-teixeira-34b090b5/