Trabalhar e estudar ao mesmo tempo acabou se tornando o ponto forte de Suelen que tem uma formação acadêmica de arrepiar. Conheça Suelen Carvalho, CTO no Jeitto

Meu primeiro contato com desenvolvimento de software foi no curso técnico. Antes, ninguém da minha família atuava na área e eu apenas tinha alguns colegas na escola que se denominavam “hackers”. A primeira linguagem que aprendi foi o Visual Basic 6 e fiquei maravilhada em dar comandos para um computador executar. Lembro ainda de pensar “e as pessoas vão me pagar pra isso?!”. Eu ainda não tinha ideia da trajetória que estava reservada pra mim!

Meu primeiro emprego foi em telemarketing, na Odonto Prev, e meu trabalho era basicamente atender secretárias de dentistas solicitando liberações de senha. O que eu não esperava era que o sistema que a empresa usava era em VB6 e eu reparava diariamente em todos os erros e ficava bastante intrigada. Mas isso durou só três meses, já que não passei do período de experiência e fui demitida com mais 30 meninas, por causa de um erro interno. Chorei bastante na época, mas o fato é que essa demissão foi a melhor coisa que podia ter me acontecido!

Eu estava prestes a começar a faculdade, bolsista 100% pelo PROUNI, mas minha mãe precisava de ajuda em casa, então eu continuei a procurar emprego. Fiz mais de 10 entrevistas por semana, a maioria em telemarketing e auxiliar administrativo. Um dia, tive que marcar duas entrevistas e a primeira era no McDonald’s. As etapas eram demoradas e lembro que abandonei no meio do processo, durante o teste de montagem de lanche, para não chegar atrasada na segunda. Nessa, eu realmente esperava passar, a vaga era para um estágio em desenvolvimento de software, na TMS Call Center. Alguns dias depois, recebi a notícia de que havia passado e fiquei tão feliz que até gritei ao telefone! Comecei no estágio antes mesmo de começar a faculdade, uma semana antes. Não me arrependo de ter abandonado a primeira entrevista pela metade, tiro sempre o melhor que posso das situações que a vida vai apresentando.

Saí de casa bem cedo e desde então preciso trabalhar para me sustentar. Passei por diversas empresas algumas tradicionais, onde fiquei por mais tempo, e algumas startups, uma que inclusive faliu. Apesar da falência a experiência que eu adquiri foi muito positiva e enriquecedora para mim. Por todos os lugares que passei, eu tinha um objetivo bem claro, que era atuar com liderança técnica, e tenho tido sucesso desde então.

Meu caminho profissional foi sempre acompanhado pelo estudo. Depois do técnico em processamento de dados, me graduei em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, me pós-graduei como Especialista em Gestão Estratégica de Projetos pelo ITA e fiz um mestrado em Ciência da Computação pelo IME-USP. Não posso dizer que foi fácil, mas no final das contas, isso acabou se tornando o meu ponto forte, já que aprendia a teoria estudando e podia colocar tudo em prática no trabalho.

Acredito que a carreira em tecnologia apresenta vários pontos positivos e isso depende muito de cada um. Para mim, a flexibilidade geográfica é muito interessante! Podemos trabalhar de qualquer lugar do mundo, literalmente. Acho também que é a área do futuro. O mundo está se informatizando e para fazer isso acontecer, são necessários mais e mais engenheiros de software.

Como mulher, atualmente vejo muito mais meninas no trabalho, na faculdade, nos eventos, mas acho que ainda é pouco. Há 12 anos, quando comecei, era mais difícil ver mulheres ocupando essa área e tínhamos poucos grupos para nos apoiar. Acredito que estamos em um momento bem positivo, mas precisamos dia-a-dia continuar com pequenos esforços, nos mostrar presentes e capazes, para conquistar cada vez mais espaço e equiparar nossos direitos. Muitas vezes nossa aparência física chega antes da nossa capacidade e, apesar de isso não ter impactado muito na minha carreira, passei por algumas situações negativas que me fizeram ainda mais persistente.

Se posso deixar uma dica para meninas que têm vontade de seguir esta carreira é que não deixem que ninguém as convença de que vocês não merecem aquilo que querem. Busquem aprendizados em todas as situações da vida, por piores que elas pareçam. E o mais importante: nunca deixem de estudar! Há sempre alguma coisa nova para ser aprendida.