Quer participar da criação das grandes mudanças que estão alterando a forma como vivemos? Entrevista com Dóris Garcia

Olá meninas. Este post é muito especial para mim pois vocês conhecerão um pouquinho sobre uma querida amiga gaúcha: Dóris Garcia, Global Customer Solution Center Program Manager na HPE.

A Dó (é assim que a chamo) e eu dividimos muitos anos escolares juntas. Praticamente todo o que hoje é chamado Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Após muitos trabalhos em grupo, muitas provas, muitas confidências trocadas, muitas baladinhas, entre muito mais que meninas da nossa idade faziam, no final tomamos a mesma decisão: seguir a carreira na área de tecnologia.

Seguimos por Universidades diferentes mas sempre estivemos muito próximas.

A carreira da Dóris é um grande exemplo de que ao seguir tecnologia, pode-se esperar por longevidade e aprendizado constante. A sua carreira também ilustra a possibilidade de ter-se uma carreira inteira, com diferentes e desafiadoras posições na mesma empresa. Vocês verão que ela está na HPE há mais de 26 anos, e já atuou em posições locais, globais e passou até uma longa temporada nos Estados Unidos.

Mas a principal característica de sua carreira que quero enfatizar neste artigo é conciliar seu papel de mãe e profissional.

Quando questionada sobre como concilia ser mãe com sua jornada profissional, vejam o que a Dó comenta:

“Sou uma privilegiada nesta área pois trabalho em casa já fazem alguns anos e consigo ter uma participação importante na vida das minhas filhas. Estou presente na rotina escolar delas e consigo organizar o meu trabalho para que possa conciliar da melhor forma possível o meu papel de mãe e de profissional.”

Vamos à entrevista da Dóris? Leiam com atenção pois ela tem dicas super interessantes!

Qual é a sua formação acadêmica?

Sou formada em Análise de Sistemas pela PUC-RS e tenho pós graduação na UFRGS em Sistemas de Informação e Telemática

Onde trabalha e há quanto tempo trabalha nesta Empresa?

Trabalho na Hewlett Packard Enterprise desde 1988. Ainda tem desafios trabalhando este tempo na mesma empresa? Sempre, pois em uma empresa do tamanho da HPE existem multiplas opções de carreira. Somos estimulados a buscar novos desafios, a crescer e temos muitas opções de caminhos a seguir. Eu exerço uma função global, então além dos desafios inerentes a profissão tenho os desafios culturais, que é muito estimulante.

Como vê a carreira na área de tecnologia?

Acredito que é uma área de muito crescimento e possibilidades, desde o empreendedor individual que cria um App para celular, passando por desenvolvedores de software, suporte, automação industrial até funções de gestão de tecnologia. Sem limite de área, pois a tecnologia está presente em tudo na nossa vida e só tende a aumentar com a Internet das coisas onde tudo passa a ser conectado.

Na sua visão, qual é o lado positivo de ter carreira em tecnologia?

Antes de mais nada estar sempre em contato com inovação, é uma área repleta de oportunidades e energia, onde as grandes invenções acontecem e que com dedicação, estudo e esforço tem lugar pra todo mundo. Temos grandes mulheres nesta área e acredito que precisamos de muito mais pois precisamos estar presentes definindo o futuro.

O que diria para meninas em relação a seguir carreira em tecnologia?

Meninas, super vale a pena! Para quem gosta de desafios e novidades a área de tecnologia oferece grandes oportunidades. Precisamos muito da participação de vocês, estamos hoje definindo produtos e serviços que farão parte do nosso dia-a-dia nos próximos meses e anos e sem a sua contribuição, eles serão projetados sem levar em consideração aspectos e funcionalidades que só a mente feminina é capaz de pensar, criar e inventar.

Mais algum comentário?

Sim, ao pensar em seguir uma carreira, tenham a mente aberta, leiam muito, aproveitem espaços como este aberto pela Cecilia para se informarem sobre as diversas possibilidades.

A carreira em tecnologia é muito ampla e pode ser conciliada com diversas áreas profissionais, desde criação de sistemas especialistas para diagnóstico de doenças, previsão de comportamento do mercado financeiro até para aproximar as pessoas como é o caso das mídias sociais.

Infelizmente a imagem que a mídia passa é que é uma profissão de nerds esquisitos, somos um pouco nerds sim, mas também somos um pouco de tudo e participamos da criação das grandes mudanças que estão mudando a forma como vivemos, nos comunicamos e nos divertimos.

Sem esquecer que também tem uns que ficam milionários depois de inventarem o Uber, Twitter, Facebook, Airbnb, etc.